A voz que comunica

É inquestionável que a comunicação é uma ferramenta estratégica nos relacionamentos pessoais e, principalmente, profissionais. Estamos vivendo uma era em que as pessoas buscam relações harmoniosas e eficazes.

No âmbito profissional, a qualidade da comunicação interpessoal com o cliente interno e externo é essencial, decisiva em qualquer contato, seja ele pessoal, escrito
ou por telefone.

Ferramentas de comunicação como os recursos da voz, o conteúdo, a expressividade corporal, dicção e a qualidade de escuta devem ser utilizadas com eficácia, visando entendimento e assertividade.

A expressividade da voz é um componente importante do relacionamento, afinal, não é raro encontrarmos pessoas com dificuldades em estabelecer uma comunicação adequada por apresentarem uma voz sem entusiasmo, sem brilho.

Devemos, assim, atentar ao “como falamos”. Não basta sabermos apenas “o quê” falar.

Fato é: apenas o domínio do conteúdo não garante uma performance positiva.

A voz é um recurso importante como resultado do comportamento comunicativo. Ela colabora para que consigamos estabelecer uma conexão com o interlocutor logo nos primeiros momentos de contato. A voz sem energia desencanta o interlocutor pois, muitas vezes, a imagem gerada é de falta de interesse, disponibilidade e
insegurança, sendo o ideal melhorar comunicação.


4 dicas para potencializar a expressividade vocal:

1 - Modular a voz de acordo com o assunto tratado e o perfil do interlocutor, variando o tom, de agudo para grave e vice-versa. Uma voz monótona não cabe em
nenhum relacionamento;

2 - Utilizar volume de voz de acordo com perfil de seu interlocutor e a situação de comunicação. O volume excessivamente alto ou baixo, ou seja, os extremos, pode
gerar uma imagem de agressividade ou insegurança, respectivamente;

3 - Articular bem os órgãos da fala – amplitude na abertura da boca, movimento de lábios e língua - de maneira que o interlocutor compreenda todos os sons das
palavras. Uma articulação adequada gera imagem de segurança, clareza de ideias e demonstra real interesse do interlocutor em se fazer entender;

4 - Dar ênfases em palavras importantes do discurso chama a atenção do interlocutor para algo que considera essencial na sua fala e que deva ser compreendida por ele. A ênfase nada mais é que o “destaque em amarelo” que fazemos na escrita das palavras ou ideias que entendemos ser importantes. Para isso, é necessário prolongar os sons das palavras, destacando-as tanto em
conversas quanto, por exemplo, em apresentação para o público.

Ouvir atentamente a qualidade da nossa voz e da voz da nossa empresa, identificando se a imagem gerada é positiva ou não, é o passo complementar à
elaboração de dicas para estruturação de discurso e argumentação.

Se for necessário, mãos à obra! Intenção, autopercepção, treino e atitude são as palavras-chave para o sucesso do processo. Vale a pena!